ASSEMBLEIA DEFINE PAUTAS DE NEGOCIAÇÕES

- O Sinpro-Noroeste realizou, nesta semana, uma assembleia geral extraordinária para debate e definição de pautas para as negociações coletivas deste ano, mantidas junto aos sindicatos patronais.

Assim como em outros anos, as negociações ocorrerão com o Sindiman, que representa as mantenedoras de instituições de ensino comunitárias, e o Sinepe/RS, que representa as demais instituições de ensino privado do Rio Grande do Sul.

Entre os principais pontos de pauta elencados pela categoria está o reajuste salarial, com reposição integral nos salários da inflação acumulada no período entre março de 2021 e fevereiro de 2022. Em virtude do elevado índice acumulado, que supera os 10%, estão previstas dificuldades para este ponto de negociação. Apesar disso, o Sinpro defenderá o reajuste integral das perdas inflacionárias.

Além disso, os professores aprovaram a necessidade de defesa, durante as negociações, da manutenção de todos os itens que já compõem as convenções coletivas de trabalho.

Ainda na assembleia, foi feita comunicação sobre a situação dos trabalhadores ligados à FAL/IMED. Segundo explanou o coordenador-geral do Sinpro, Valdir Kinn, os valores em atraso têm sido pagos aos trabalhadores conforme acordo intermediado pelo sindicato, e a situação deve ser normalizada em breve.

 

CALENDÁRIO NEGOCIAL

- Concluída a fase de debates sobre a pauta de reivindicações para as negociações coletivas, o Sinpro e demais entidades sindicais, congregadas pela FeteeSul, têm importante reunião com os sindicatos patronais na próxima semana.

Está agendada para o dia 8 de março, terça-feira, a entrega da pauta de reivindicações em reunião que ocorrerá de forma presencial em Porto Alegre. No encontro também será debatido e deliberado o calendário negocial, com a definição sobre se as reuniões serão online ou presenciais ao longo das próximas semanas.